TesteTRACTIAN

Autodiagnóstico de falhas: o futuro da prevenção automática de falhas no setor de celulose

Essa tecnologia identifica problemas e, semelhante a um diagnóstico médico, prescreve soluções específicas para cada caso, melhorando a eficiência operacional e prevenindo interrupções antes que ocorram

Interrupções inesperadas na produção é uma dor conhecida na indústria de celulose, gerando alto custo e afetando a eficiência operacional. Diante deste desafio, surge a questão crucial: como mitigar essas paradas não programadas de forma eficaz? A resposta encontra-se no avanço da preditiva por meio da identificação automática de falhas.

O autodiagnóstico, presente na manutenção assistida por inteligência artificial, é o método mais avançado para detecção e correção automática de falhas. Essa tecnologia identifica problemas e, semelhante a um diagnóstico médico, prescreve soluções específicas para cada caso, melhorando a eficiência operacional e prevenindo interrupções antes que ocorram.

Foto: Divulgação / Tractian

O autodiagnóstico de falhas é um divisor de águas para as equipes de manutenção, uma vez que ele transforma a forma como as atividades são priorizadas e gerenciadas. Com essa tecnologia os técnicos podem antecipar problemas, agendando manutenções durante períodos de baixa demanda, distribuindo melhor as cargas de trabalho. Isso melhora não apenas a moral da equipe ao reduzir o estresse dos reparos de emergência, como também eleva os padrões de segurança e qualidade do trabalho.

Foto: Divulgação / Tractian

Do ponto de vista dos indicadores de manutenção, o autodiagnóstico contribui significativamente para a melhoria de KPIs críticos, como o tempo médio entre falhas (MTBF) e o tempo médio para reparos (MTTR). A capacidade de detectar e resolver problemas de forma proativa significa menos falhas e reparos mais rápidos, que são refletidos em uma melhoria contínua desses indicadores. Consequentemente, isso leva a uma operação mais confiável e a uma redução no custo total de manutenção.

Quanto ao retorno sobre o investimento (ROI), a implantação do autodiagnóstico se justifica amplamente. A diminuição de paradas não programadas e a extensão da vida útil dos ativos resultam em benefícios financeiros tangíveis. Empresas que adotam essa técnica estão observando uma redução nos custos de manutenção e uma elevação na produtividade, justificando o investimento inicial na tecnologia. Além disso, melhorias na eficiência operacional podem ser capitalizadas em ganhos de mercado e satisfação do cliente, fortalecendo a posição competitiva da empresa.

Principais benefícios ao implementar o autodiagnóstico de falhas:

  • Redução de downtime: Diminui significativamente as paradas de produção não planejadas ao prever falhas antes que elas ocorram.
  • Otimização de manutenção: Permite o agendamento inteligente de manutenções, evitando interrupções desnecessárias e melhorando a utilização dos recursos.
  • Aumento da vida útil do equipamento: Extensão da operacionalidade de maquinários fundamentais, como digestores e prensas, por meio da identificação antecipada de desgastes e problemas.
  • Melhoria de eficiência operacional: Proporciona um fluxo de trabalho mais eficiente, com menos falhas inesperadas e maior consistência na produção.
  • Economia de custos: Reduz custos associados a reparos de emergência, perda de produção e consumo excessivo de peças de reposição.

Diante disso, a Tractian tem desempenhado um papel pioneiro no campo da indústria 4.0 e da manutenção inteligente, estabelecendo-se como referência em inteligência de dados aplicada à manutenção. Suas soluções inovadoras oferecem não apenas uma tecnologia avançada, como também uma nova filosofia em manutenção – uma que é menos reativa e mais estratégica. Para saber mais, clique aqui.

Mostrar mais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo